Arquivo da categoria: Pessoal

Peru (3) – Paracas

Continuando nossa viagem pelo Peru, pegamos um ônibus de Lima para Paracas pela viação Cruz del Sur ainda de madrugada – que durou por volta de 4/5 horas. Chegando na cidade, nossa guia já nos esperava e começamos os passeios. Não há muito para conhecer, mas já aviso que vale bastante à pena.

Inicialmente pegamos uma lancha e começamos a correr em direção às Ilhas Ballestas. A primeira atração no caminho é o “Candelabro”, uma formação pré-colombiana que o guia disse não haver explicação de como nem quando foi feita – um mistério fantástico, dou certeza. Não é à toa que virou praticamente um símbolo informal da cidade, presente em diversos souvenires dispostos nas banquinhas e pequenas lojas. Fica a dica que a cidade não tem NADA além da orla com restaurantes e alguns hostels, alguns ainda em construção, inclusive.

Continuando o passeio, quem gosta de turismo ecológico vai adorar. Não é meu tipo de programa favorito, mas ainda assim gostei bastante.  O legal é que a gente vai para a Reserva Nacional de Paracas de lancha e não precisa ficar andando durante horas, hehehe… O guia vai mostrando tudo e explicando cada coisa, especialmente sobre os animais. São diversos tipos de pássaros, motivo pelo qual temos que andar de boné para não recebermos presentinhos mal-cheirosos na cabeça (já que o ambiente por si só fede horrores!), leões-marinhos e PINGUINS! Cara, eles são muito divertidos, hahaha… a raça Humboldt é a mais presente, mas isso não faz muita diferença para nós leigos, faz?

Alguns itens são essenciais para “sobreviver” a Paracas: MUITO protetor solar, boné, óculos escuros, roupas largas e confortáveis e até mesmo um cachecol para cobrir a boca e o nariz quando for andar pelo deserto ou de lancha. Faz muito sol e venta muito, por isso o calor pode não parecer tão forte, mas o sol faz um estrago na pele de quem não se protege adequadamente. Ficamos queimados por uns cinco dias, para mais.

Ainda na Reserva de Paracas, visitamos um museu que mostra como a região (hoje praticamente um deserto) era antigamente: uma enorme floresta tropical. Há amostras de solo e de como falhas geológicas moldaram a região no que tornou-se hoje. Daí, a gente viu alguns flamingos pelo binóculo, visitamos uma formação rochosa chamada de “Catedral” que foi parcialmente destruída em um dos últimos terremotos do país e paramos para almoçar no meio do nada – é tudo meio corporativo, os guias já levam para onde querem, os caras já sabem e os preços acompanham a brincadeira, hehe. A sorte é que dezembro é baixa temporada (?) e tudo tem promoção ou é negociável. Vale lembrar que Paracas é um grande sítio arqueológico, perto de Nasca e com locais de preservação para pesquisas.

Por fim, morremos de sono na pracinha da cidade e esperamos pelo nosso ônibus já que não há mais nada para fazer a não ser comer – o que não é ruim, né? A próxima parada é um dos lugares mais lindos que já conheci: Nasca!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em América Latina, Atualizações, Pessoal, viagens

Peru (2) – Lima

Continuando a série de posts sobre o mochilão no Peru, falarei hoje de Lima. Ficamos na região de Miraflores e só tenho a recomendar sobre o lugar, é bonito, parece ser seguro e tem muitos restaurantes, bares, cafés e agências de viagens (o que é um fator importante nessa viagem). Lá é onde fica a Plaza de Armas, algo que praticamente toda cidade peruana que visitamos também tinha, como se fosse um centro informal de lazer e encontro.

Hospedamo-nos no hostel chamado Loki, quando chegamos no dia 10/12 bem tarde, lá pelas 23:00/00:00. Fizemos o check-in, deixamos a mala no quarto (que tinha as exatas quatro camas de que precisávamos, portanto, era praticamente um quarto fechado só para nós) e descemos para o bar. Olha, eu já fiquei em muitos hostels de cidades brasileiras e fora do país, mas esse primeiro dia no Peru já ia dar os sinais das festas no país. Os estrangeiros são simplesmente insanos, bebem MUITO e se jogam de todas as formas possíveis. Depois de duas garrafas, eu e uma das amigas que me acompanhavam decidimos ir pra balada de Lima. Não me perguntem como chama o local, não faço a menor ideia (lembro que fica na parte baixa do Larcomar), até por que bebemos mais margaritas, sex on the beach e cosmopolitans – sem contar as cervejas -, então dá pra imaginar como ficamos. Isso por que tínhamos viajado o dia inteiro antes :P

Ficamos por mais dois dias, nos quais fomos conhecer a cidade e comprar nosso passeio Paracas-Nasca-Cusco. Conhecemos as praças, museus e catedrais da cidade. Valem muito à pena e são todos maravilhosos. O estilo colonial e a influência espanhola deixaram grandes prédios na região histórica da cidade – vale à pena pegar um taxi e negociar o valor antes de sair, sempre fica MUITO BARATO! Recomendo conhecer as catacumbas (foto acima) que ficam debaixo da catedral e tem visita guiada. Já o Museu da Inquisição e do Congresso é uma furada, além de ser chato, a guia que nos acompanhou parecia estar de ressaca/sono/preguiça, sem contar que por ser de graça fica lotado e com dezenas de pessoas empurrando tempo todo.

Recomendaram-nos que comêssemos o tal de chifa, uma das comidas típicas do país. Trata-se de uma mistura entre comida oriental e peruana que, pra ser bem sincero, é péssima! Quer dizer, não sei se demos azar de entrar em um desses restaurantes ruins ou se a comida que é realmente ruim. Mas é aquele negócio: se está lá, tem que experimentar de tudo!

Pelo menos, para compensar comemos em vários outros lugares que nos serviram pratos excelentes. No shopping/galeria Larcomar, por exemplo, pedimos sobremesas fantásticas – acompanhadas de um visual maravilhoso, com todo o Oceano Pacífico à nossa volta. Outro lugar legal para comer é o Sandwich.com que faz sanduíches caseiros, o bife é fantástico, o molho é delicioso, tudo é bom nesse lugar. Abaixo, uma foto de um dos pratos que pedimos.

Para fechar, visitamos um lugar fantástico, o Parque das Fontes. Disseram-nos tratar do maior parque do tipo que existe no mundo, e não duvido. Nunca vi tantas fontes e tão grandes, sem contar a diversidade de efeitos colocados – uma delas tinha Vivaldi ao fundo, enquanto outro era um labirinto por onde as pessoas brincavam de não se molhar (obviamente não eram bem sucedidas, hehehe), outra que fazia um arco e podíamos passar por baixo, etc. Valeu muito à pena visitá-lo, é o lugar mais bonito de Lima, sem dúvida – é uma visita noturna, fica a dica.

Depois de duas noites, embarcamos de madrugada para Paracas, parte que conto no post a seguir.

Deixe um comentário

Arquivado em América Latina, Pessoal, viagens

Peru (1) – Lima, lá fomos nós!

Em dezembro do ano passado, depois de meses de longa e ansiosa espera, viajei para o Peru com três grandes amigas (Amanda, Raquel Leite e Raquel Saleh) para um mochilão de duas semanas. A primeira dica que fica de todo o processo que culminou em nossa saída de São Paulo no dia 1o/12 é: compre com MUITA antecedência as suas passagens aéreas. Demoramos um pouco para comprar e por isso o preço já estava meio salgado, mas nada que atrapalhasse o planejamento inicial. Definimos o roteiro algumas semanas antes de viajar, mas acabamos alterando um pouco, tendo ficado da seguinte forma: Lima – Paracas – Nasca – Cusco – Aguas Calientes – Machu Picchu – Cusco.

10/12 – São Paulo: nosso avião saía bem cedo, então optamos em pegar um taxi de onde estávamos (perto da Paulista) diretamente para o aeroporto de Guarulhos, o que ficou mais barato que pegar aquele ônibus que sai da República. A outra opção, pegar o ônibus de linha que sai do metrô Tatuapé, não era viável por causa do horário que saíamos (metrô ainda não funcionava) e pelo peso das malas.

Guarulhos não estava lotado e tanto o despacho quanto o embarque foram bem tranquilos. Nosso voo saía de São Paulo para Lima com conexão em Santiago por umas boas horas (leia-se ficar parado umas 6 horas aproximadamente), então já fomos preparados para esperar por muito tempo no bonito aeroporto da capital chilena. O duty free desse aeroporto é grande e tem muito mais opções para quem está afim de fazer compras que a volta por Guarulhos – o que é uma verdadeira decepção para os gastadores.

A Raquel L. levou seu netbook e permitiu a todos que mantivéssemos bom contato com o Brasil pelo Skype, além de matar um bom tempo nos saguões de aeroporto – foi o caso de Santiago, onde pudemos acessar a internet por meio do wifi do Starbucks do aeroporto. Mesmo assim, deu pra ouvir música, comer, andar à vontade pelas lojas e descansar um pouco. Um adendo importante: cuidado ao comprar no Chile. O peso chileno usa um câmbio muito diferente do que estamos acostumados, então uma compra por 120.000 pesos chilenos pode parecer 120 dólares no ticket de preço e causar uma enorme dor de cabeça – como aconteceu conosco.

Depois de muuuuuuuito tempo de viagem e três horas diferentes no fuso horário, chegamos a Lima. Para evitar complicações e por não conhecermos a cidade, contratamos um transfer pelo próprio hostel. Saiu muito mais caro do que sairia por uma negociação comum (tema dos próximos posts), mas garantiu uma chegada tranquila, um porta-malas grande e menos cansaço. Enfim, chegamos ao Loki Hostel de Lima :)

No próximo post falo de Lima e de alguns lugares legais que valem a visita!

 

Deixe um comentário

Arquivado em América Latina, Pessoal, viagens

7 meses e 9 dias na maior cidade do Brasil

 

Estou reaprendendo a gostar de São Paulo. Como bem disseram, a adaptação é longa mas vale à pena. O stress é constante, as pessoas não tem muito tempo para serem educadas e a foto acima mostra como fica o metrô na hora do rush. Ainda assim, tem se tornado divertido ver as peculiaridades da cidade: os bares-lanchonetes que tem o mesmo painel – apenas com o nome diferente -, as rodas de samba em plena Liberdade, a variedade gastronômica… está melhorando.

As baladas são fantásticas. É sério, os lugares são muito bonitos, as pessoas se vestem muito bem e o ambiente todo costuma ajudar – inclusive a música, até hoje não fui a nenhuma balada que tocasse música ruim. As filas são chatas, então o negócio é aprender a lidar com elas: ou chegar MUITO cedo ou chegar MUITO tarde na balada. Nesse caso, vale à pena qualquer um dos dois, o primeiro garante balada vazia, sem fila e a liberdade de dançar à vontade; o segundo garante um esquenta logo e animado em casa ou em algum dos milhares de bares legais da Augusta e região para enfim se acabar na pista.

A cidade transpira cultura. Movimentos sociais dialogam entre si na internet o tempo todo e marcam passeatas, marchas e encontros por toda a cidade, especialmente no vão do MASP. Na foto acima dá para ver o começo do que foi a Marcha da Liberdade há algumas semanas em São Paulo, baseada na diversidade de diversos grupos e movimentos. Dezenas de teatros, opções culturais gratuitas e museus interessantes recheiam essa mistura.

Da janela do mestrado, a Sé. É divertido e interessante estudar do lado de um dos cartões postais da cidade. Vê-se de tudo: pregações sobre o fim do mundo, dezenas de indivíduos vendendo e comprando prata e ouro, muitas lojas de departamento, bancas que oferecem de tudo e todo o tipo de contravenção nas vielas e ruas paralelas à praça (quem diz que não, é cego ou não admite). Mesmo assim, butecos charmosos e música animada costumam marcar a região à noite, de segunda a domingo – e é um convite a um happy hour diferente.

我爱 巴西。Ou, “Eu amo o Brasil”, das aulas do Instituo Confúcio, que também funciona no mesmo prédio do mestrado, esse que dá uma vista interessante para a Catedral da Sé. Estudar mandarim é outra peculiaridade de São Paulo, afinal, trata-se de um local específico de cooperação com o governo chinês e que só agora começa a pensar em passar para outras cidades do país (apesar de já ter em algumas como Porto Alegre, se não me engano).

Enfim, São Paulo está me conquistando. Aos poucos, mas está. Vejamos o que mais a terra da garoa tem…

Deixe um comentário

Arquivado em Pessoal, viagens

O bullying é o que fazemos dele

Fico pensando em como o bullying sempre existiu e ninguém praticamente nunca deu a mínima. Se o post parecer um pouco auto-biográfico é por que talvez realmente o seja. Acho que no Brasil esses lugares comuns de povo tranquilo, pacífico e tolerante ajudou a tapar os olhos para o que sofre um grande número de crianças e adolescentes do país. E não digo que as crianças são malvadas (os adolescentes podem ser sim), mas considero que as pequenas ações preconceituosas e intolerantes que vão surgindo na tenra idade são reflexos da influência dos pais – retrógrados e conservadores, gente que não soube lidar com as diferenças e passou essa mesma experiência aos filhos.

As diferenças de gênero, sexualidade, cor de pele, timbre de voz, estilo musical, sociabilidade e qualquer coisa que se queira colocar numa relação de alteridade fazem com que muitas crianças e adolescentes sofram diariamente. E não é um sofrimento infantil, passageiro, é algo que consegue destruir a auto-estima de qualquer indivíduo, que cria traumas que permanecerão pela vida inteira se não forem devidamente cuidados. O clima de competição típico das sociedades ocidentais só acirra essa necessidade de ganhar e não apenas ganhar, mas vencer sobre o outro, ter certeza da derrota alheia, da humilhação. Penso eu: que mundo nojento é esse que construímos e aceitamos? Mais ainda, como podem tantos pais aceitar e incentivar esse tipo de prática no cotidiano, com cobranças que não condizem com o que seria um verdadeiro status de bem-estar e felicidade? É muito triste.

Só quem já sofreu o bullying sabe como dói. Ser taxado de algo que não se é ou simplesmente ter características suas tomadas como negativas por que alguém diz que assim é são fatos recorrentes. Acho que pelo menos assumir o sofrimento por esse tipo de coisa pode incentivar àqueles que tem filhos e aos que pretendem ter a ensiná-los a serem mais tolerantes com as diferenças, a respeitar o que não é igual e entender que a beleza do mundo se encontra justamente na diversidade, na cor e na possibilidade de pensarmos diferentes.

Tomar o mundo como um lugar pronto, fixo e sem a possibilidade da mudança é deixá-lo cinza, sem perspectiva e carente de criatividade. Prefiro ver o mundo como uma grande aventura, um grande espaço colorido diariamente, preenchido vagarosamente por bons sentimentos e pela atenção em relação ao outro, pela vontade de ajudar ao próximo. Prefiro acreditar que isso é possível, apesar das demonstrações diárias de ódio e alienação e evitar responder esse tipo de ação com a mesma moeda. Não aceitar passivamente, mas lutar ativamente: esse deve ser o norte de todos que acreditam que as próximas gerações podem se livrar do bullying de seu vocabulário.

3 Comentários

Arquivado em Pessoal, Teorias

O preconceito e os limites da democracia

Sabe o que é triste? A coação da opinião. Parece que pelo puro e simples direito de poder expressar o que se tem direito, não se pode mais criticar ou contra-argumentar. Daí, taxam-se adjetivos pejorativos, julgamentos prévios e comentários raivosos.

Ora, a livre expressão não inclui a discordância, a crítica e o descontentamento? Especialmente quando se trata de comentários racistas e homofóbicos, como pelo sr. deputado Jair Bolsonaro, quem cala consente. Dizer que como deputado ele tem DIREITO de se expressar não é negado, o conteúdo da sua mensagem que é deplorável. Defender a família, a moral e os bons costumes é um discurso antigo e que esse dinossauro da ditadura tenta retomar num momento em que deveríamos olhar para temas de vanguarda, sermos verdadeiros progressistas. Mas ainda assim, esse discurso da valorização da família, da “defesa” da pátria, etc, ainda é válido – não fere ninguém, não atinge ninguém.

No entanto, e exatamente por que nosso país é livre e democraticamente constituído, esse senhor não pode achar que está novamente num regime militar e desferir esse tipo de comentário. Digno de fascistas do começo do século passado, sua atitude é mais um capítulo de como os parlamentares brasileiros tem poderes demais. Não apenas o poder material extremamente exagerado, mas um poder simbólico que se traduz pelas relações de poder que um discurso carrega. Bolsonaro pode falar “o que quiser” e não ter que responder por isso, seu mandato lhe dá prerrogativas especiais que os pobres mortais pagadores de impostos não tem. Em parte justificáveis, no entanto, racismo é crime e homofobia atenta contra a dignidade da pessoa humana e isso não pode ser passível de atenuante pela sua condição de deputado.

Por isso, não aceito que me digam pra calar ou aceitar as implicações jurídicas de sua eleição. A nossa Constituição impõe limites, até para os representantes no Congresso. E já passou da hora de deixarmos esse positivismo exagerado de lado e colocar os verdadeiros interesses nacionais (como o caso da Ficha Limpa) em pauta, sob um olhar mais crítico das necessidades da própria democracia e mais sensível às demandas da população.

Os indivíduos que votaram em Jair Bolsonaro provavelmente gostam de seus comentários e compartilham de suas posições ideológicas. Eles tem o direito para tanto. E ninguém deve pensar em retirar isso deles, democracia – para o bem ou para o mal – é isso, são as regras do jogo. Todo país tem que saber lidar com essas minorias (imagino e espero) retrógradas e atrasadas. Mas não irei aceitar calado, por que apesar do deputado não ter o direito de usar de suas prerrogativas para alimentar preconceitos, eu (e qualquer outro cidadão) tenho o direito de acusá-lo e rebatê-lo.

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Eleições, Pessoal, Política

Aleatório e divertido

Achei muita coincidência entrar no vagão do trem que homenageia justamente os mineiros. Obrigado, São Paulo! :P

Deixe um comentário

Arquivado em Pessoal, viagens